Receba atualizações por Email

quinta-feira, 10 de novembro de 2011

Com gente feliz é mais fácil governar

*Washington Magalhães


De acordo com dados oficiais do IBGE o Brasil conta atualmente com mais de 45 milhões de habitantes acima de cinqüenta anos de idade. Uma parte considerável da população que ainda não mereceu a atenção que lhe é devida. Se considerarmos que é essa parte da população que delineou o quadro atual de nossa história hodierna devemos reconhecer que muito ela fez para o atual estágio em que nos encontramos.
Essa geração é a que insiste em afirmar que não entende direito esses avanços tecnológicos como computador, internet, telefonia móvel, e tudo que advém dessa tecnologia. Usufrui desses avanços, mas ainda nem mesmo entendeu a tecnologia do rádio. E não se nega a pagar caro por essa parafernália pouco compreendida.
Essa turma já passa a perceber os narizes torcidos dos institutos de previdência, seja público ou privado, que ressalta somente os custos que os aposentados produzem nos cofres da nação. 

RESPEITO

Uma geração que passou espremida em transportes públicos no vai e vem das viagens a trabalho. Gente que atravessou dias de desmandos de militares que insistiam em governar o país mesmo não sendo aceitos pela grande maioria. Foram esses que transpuseram os dias de ditadura com medo e altivez.
Coube a essa turma de mais de cinqüenta anos apresentar novas propostas políticas e sugestões administrativas aos governantes neófitos que saíam da ditadura sem nem mesmo saber o que era democracia. Vale lembrar que da proclamação da República até os dias de hoje nossa história é entremeada de períodos de exceção. Ditaduras de vários modelos. Da mão de ferro de Deodoro da Fonseca aos militares fantoches de americanos dos anos 60. Sem esquecer os anos de Vargas que também não permitiu o livre debate de idéias.
Caberia muito mais argumento nessa linha de raciocínio. Foi essa turma dos 50 que abriu caminho para o consumismo atendendo aos apelos publicitários que traziam embutidos uma propaganda ideológica subliminar que ainda hoje desconhecemos.
Não podemos deixar que o tratamento para os enquadrados nessa categoria seja de descarte e subestimação. Cobrar uma política específica para esses brasileiros é mais do que imperativo. Depois de muitas conquistas no plano político e social faz-se necessário despertar para tudo o que já foi conquistado, e reivindicar mais.


ESTATÍSTICA

Se no plano federal o país apresenta quase vinte por cento de cidadãos acima de 50 anos de idade, certamente esse percentual pode ser aplicado nos níveis municipais. E Cataguases pode contar com mais de 15 mil habitantes enquadrados nesse percentual. Aí cabe a pergunta: que há de específico para essa geração na cidade?
 A terceira idade recebe tratamento de comiseração e paternalismo. Os primeiros grupos formados, ainda no Pró-idoso, eram tratados como grupos semialfabetizados e que não tinham parâmetros para cobrar mais direitos da comunidade. Não só dos governantes. Do poder público. Os direitos dessa turma cinquentona ultrapassam os limites dos administradores municipais.


ACESSIBILIDADE

A começar pela acessibilidade. As cidades brasileiras não foram projetadas e construídas para pessoas com necessidades especiais. As calçadas são verdadeiros cadafalsos. Cegos, aleijados, cadeirantes, crianças e carrinhos de bebê, idosos com dificuldades de locomoção, toda essa gente “corta um dobrado” para caminhar pela cidade. Não há nenhuma fiscalização dos veículos que passam com seus sons altíssimos num incômodo generalizado.
Até mesmo os programas de rádio parecem ignorar totalmente essa geração de gente mais madura. Falam somente para a “galera”. E os mais maduros preferem não sintonizar as estações modernas.
Está na hora de se pensar nesse contingente com o respeito que lhe é devido. E Cataguases pode manter-se como uma cidade de vanguarda e sair na frente. Fazer cumprir as leis e adiantar nas novas idéias pode ser muito bom para todos. Se a felicidade se sobrepuser tudo fica melhor. Principalmente a área de saúde. E essa turma dos 50, ou mais, merece essa atenção.

*Washington Magalhães - Escritor e Jornalista.

2 comentários:

Essa geração está por fora disse...

Washington Magalhães o povo merece a atenção dos políticos, mas os homens de bem não querem saber de política.

Abraço

Acessibilidade Sim disse...

Washington Magalhães gosto dos seus comentários e opiniões.
Parabéns ao jornalista.